COLLIGERE BENDITO EM SEUS OLHOS, MALDITO EM SUA BOCA LYRICS

Quando viaja a voz, que sem a boca continua, sabe calar a palavra quando já não encontra.
O momento que a necessita, nem o lugar que a quer? E a boca sabe morrer?
Tornei-me mudo porque você nada me fala. As palavras que deixamos escapar, onde estarão? Meu (e seu) silêncio acabará me convencendo... Se respirar, vai se contaminar. Se pensar, vai ter angústia. Se duvidar, vai ter loucura.
Se sentir, vai ter solidão. Se perguntar, vai ter medo. E quando pensava ter todas as respostas, mudaram as perguntas.
O medo do silêncio atordoa as ruas.
E as vozes sem boca me obrigam a escutar o que dizem em meu nome. E o medo continua sendo nosso pior conselheiro. Tornei-me cego, você não me olha. Tornei-me esquecido porque você não me recorda.
Não lembra mais! Rumo ao porto, ou ao naufrágio, que nos espera esta noite. Não lembra mais! Apenas em quanto pode ser desbotado o vermelho de nosso sangue.
E quanto rouco e silencioso pode ser o nosso grito?